sexta-feira, maio 30, 2008

ELEITORAIS

BOLA DA VEZ
O PMDB tinha tudo para ser um mero coadjuvante nestas eleições, mas uma cartada certeira colocou o partido como o principal objeto do desejo dos dois principais pré-candidatos até agora, o prefeito João Paulo e o deputado federal Décio Lima. Ao flertar com o PT, algumas lideranças, leia-se César Botelho, Paulo França, Régis Evaloir e outros, colocaram o partido no centro do processo pré-eleitoral

TIRO PELA CULATRA
Mas a cartada coloca hoje o grupo de Botelho e , principalmente Paulo França, numa sinuca. França, que sonhava em ser vice de Décio Lima, está sendo pressionado em ser o companheiro de chapa de JPK.

VAI OU NÃO VAI?
Paulo França, em momentos distintos ao longo do tempo, já manifestou que nunca poderia estar como vice numa hipotética chapa com o prefeito João Paulo. Ele tem até a próxima terça-feira, dia 4 de junho, para deixar a secretaria de Desenvolvimento Regional, caso decida aceitar a tarefa. É o último prazo dado pela Justiça Eleitoral para aqueles que ocupam cargos públicos e queiram disputar como candidatos a prefeito e vice.

TIRO PELA CULATRA 2
O PMDB ficou refém de sua própria jogada de mestre. Com o acerto para a manutenção da Tríplice Aliança em Blumenau, o partido ficou sem nome para oferecer. Os mais citados – Paulo França, José Gaspar Clerici e Rufinus Seibt – já manifestaram que podem até aceitar, mas não é o que querem no momento.

Um comentário:

Giovanni Ramos disse...

Para um partido que já dominou o cenário político blumenauense, ser cobiçado como vice não pode ser algo tão bom. A política de Blumenau continuará polarizada, trocando PMDB por PT.