segunda-feira, outubro 06, 2008

CAMPANHA PETISTA

CAMPANHA FRACA
Fiquei de falar e agora vai. A campanha petista errou demais e isso se viu nas urnas. Não que a candidatura de João Paulo não tivesse condições de vencer por conta própria, pelo contrário. Mas o principal adversário ajudou.

AVALIAÇÃO CAOLHA
Não sei de quem é a responsabilidade pelo fracasso da Coligação Blumenau de Todos. Havia uma “avaliação” de que o candidato já era bastante conhecido, graças aos dois mandatos de prefeito e que por isso ele não precisava ir para às ruas pedir votos. Demorou em fazer isso, lembrando que Décio não se licenciou da Câmara dos Deputados para assumir a campanha. Chegou a ser cobrado pelos companheiros de coligação.

POUCA REPRESENTATIVIDADE
Houve falhas na composição política. O PT, que flertou com PMDB e PP, ficou apenas com o PDT, que lhe emprestou um vice que absolutamente não agregou nada. E o que é pior, afastou os corações de parceiros de primeira hora, como foi o caso do PR, de Dalto dos Reis, que foi obrigado a engolir a coligação goela abaixo.

VEREADORES
Com partidos inexpressivos na base, a chapa proporcional era muito fraca. O próprio PT apresentou a pior nominata das últimas quatro eleições, com candidatos de pouco potencial de votos. Esse foi um diferencial importante pró JPK.


DISTÃNCIA
Décio Lima se afastou de Blumenau depois de deixar à Prefeitura. Primeiro quando assumiu o porto de Itajaí e depois, como deputado federal, perdeu a oportunidade de capitanear os pleitos de Blumenau junto ao Governo Federal. A senadora Ideli Salvatti e o deputado federal João Pizzolatti tiveram participação muito mais ativa na busca de recursos do que o ex-prefeito.

ESTRUTURA DEFICIENTE
Sem a máquina pública, a campanha padeceu de recursos e estrutura. Não foi pobre, mas ficou pequena diante do volume do adversário. E aí faltou criatividade e planejamento para fazer diferente.

PLACAS
O que sobrou para o adversário faltou para a coligação Blumenau de Todos: estratégia. Quando a campanha foi liberada e as placas de João Paulo foram espalhadas pela cidade, falaram que placa não significa voto. Significa sim. É provável que uma ou outra pessoa tenha recebido dinheiro para colocar placa em casa, mas a grande maioria fez porque apoiava o candidato-prefeito.

SEM FOCO
E quando a campanha na TV e no rádio começou foi então o que se viu que a estratégia estava equivocada ou sequer existia. Começaram bombando com a proposta de Inclusão Digital, importante, mas de baixo apelo popular. A saúde, que era o calcanhar de Aquiles da administração de JPK, foi atacada somente depois. Outra coisa que pegou mal foram aquelas propostas de mega-obras viárias, ressuscitando até o trem de superfície. Já é o pau da goiaba fazer um viaduto, uma ponte, imagina cerca de 10, como foi apresentado em um determinado momento. Pegou mal.

PARA FINALIZAR
Demoraram a nominar as várias obras feitas por Décio enquanto prefeito e o engessaram no estúdio. Quando perceberam, o adversário já estava na frente e não dava mais para buscar. Sem falar nos ataques com alvo errado, por conta das pesquisas.

15 comentários:

Joaozinho disse...

Ponto positivo para o coordenador da campanha petista, que ajudou a despachar esse bando de desocupados e baderneiros.

Anônimo disse...

Agora engole o choro e volta pra Itajaí, de onde nem deveria ter saído.

Giovanni Ramos disse...

Parabéns Alexandre, pelo blog. Concordo com tudo que você disse. O massacre nas urnas começou com as escolhas no início da campanha. Nominata fraca de vereadores, alianças pequenas, projetos em pontos errados, ataques "ao estilo Renato Vianna em 1996". O resultado não é nenhuma surpresa. A oposição está fraca e precisa de novas lideranças para se reerguer!

Anônimo disse...

Alexandre, parabéns pelo Blog!!
Acho suas colocações sempre muito oportunas! Esta é a mesma avaliação que fiz da campanha com meus amigos.
Cito três motivos principais que levaram o Décio a derrota:
1. Promessas muito fantasiosas, impossíveis de serem cumpridas;
2. O envolvimento com a Agrenco (esta foi decisiva);
3. Estratégia de campanha mal formulada, com ataques grosseiros (como aquele do Edson Adriano no debate) e postura de "barraqueiro".

Ai vai um conselho para o PT: parem com este discurso de "tudo de graça para o povo"!! O comunismo foi uma ideologia que não deu certo!!! O socialismo prioriza o trabalho!!! Entendam-se de uma vêz!!!

blog campeão disse...

Parabéns Alexandre: uma análise competente da eleição. Achjo que a campanha petista errou, mas a virada comepou realmente quando entraram no ar os programas de rádio e tv. Foi um banho. Os programas de tv do PT eram fracos e os de rádio uma vergonha (pois repetia os de tv). No Dem a tv foi excelente e no rádio brilhante, com estruturas próprias - até porque tv e rádio são coisas diferentes. Mais uma vez, parabéns Alexandre, o teu blog foi o melhor dessa camapnha.

Ana disse...

O Gugu veio ontem para Blumenau... gravar o programa "DEVOLTA PARA MIHA TERRA" ... com Décio Lima!!!

Ana disse...

Ow... essa Brasmarket é ruim mesmo... tava totalmente errada mesmo!!!

Não era 57% mas sim 63%... ow bando de ruim...

Falando nisso... cadê os petistas do blog... sumiram com o Décio?

Anônimo disse...

Ana boa! kkk

Xnet disse...

Comemorem sim :)
Mas não se esqueçam de fazer o melhor governo de todos os tempos senão vcs vão fritar no marmore do infernu! :)

Castelo Burguês disse...

E não que o "xnet" ainda está aqui...perdeu o busão p/ Brusque?
UAHUAHUAAHAUHAUHAUH

Acorda meu caro amigo... aqui não entra petralha nunca mais!!!

Anônimo disse...

e ninguém cala esse xororô!


Chora o ex-prefeito, chora o vereador, chora o vermelho eleitor !

Anônimo disse...

GENTE
Sobre a campanha eleitoral deste ano resumidamente, nas óticas da estratégia e do marketing, penso o seguinte:
LADO JPK
• Sabiam que em termos de obras e realizações humanas os dados e números seriam favoráveis ao Décio, então:
Apegaram-se a fatos genéricos e pouco dependentes de políticas públicas locais (macro-econômicas, por exemplo) daí mostraram na TV em cores escuras um quadro “como era em 2004” - empresas fechando, desemprego etc. e “como é agora” – Havan, supermercado Giassi e 4 obras públicas de imagem forte – Proeb, Galegão , Santo Antônio e Policlínica ( a rigor são 4 obras em 4 anos);
• Construíram uma política de alianças forte e conservadora com os principais partidos e com o grande empresariado e da classe média alta, e obtiveram um apoio da mídia.
Assim alcançaram mais tempo de TV nos programas (14 contra 8 min. e 1200 contra 800 inserções durante a programação normal, no período). Obtiveram recursos para pagar uma campanha hollywoodiana na TV e impactante no visual de rua (placas nas casas e carros plotados) – foi um massacre.
• Sabiam que o JPK não é simpático, nem carismático e muito menos popular, então:
na mídia criaram a imagem de que ele não fala, mas faz. Pegaram as características da chamada ética protestante ou do capitalismo (ver Max Weber a respeito) muito forte em Blumenau e fixaram no JPK a imagem de que ele é a cara do blumenauense;
No seu governo faltou planejamento, então o empresariado (ACIB) com o mesmo perfil ideológico do partido do prefeito (em Blumenau ainda prevalece UDN e PSD) patrocinou o Plano Blumenau 2050, encomendou o marketeiro da campanha e facilitou a tríplice aliança (lembrem-se que o PMDB de Blumenau só embarcou na marra) além de realizar obras diretamente;
• Sabiam que o instituto da reeleição favorece quem está no governo (70% historicamente se reelege) e por isso (e também porque o apoio efetivo do governador só veio este ano) deixaram as obras para o ano da eleição (exemplo “reurbanização” da Rua Amazonas)
Daí, reforçaram o “homem que não fala, mas faz” e explicaram a inércia de mais de três anos de governo com uma falácia (para não classificar de simples mentira) de que pegaram a prefeitura endividada e sem crédito.

LADO DÉCIO
• Confiantes na superioridade do seu governo em termos de realizações, e da elevada aprovação que Décio obteve (mais de 70%) confiaram que o povo dos bairros teria em mente tudo o que foi feito, então:
A campanha durante muito tempo foi meramente propositiva, nem parecia uma campanha de oposição. Quando finalmente se decidiu mostrar os inúmeros pontos fracos do governo JPK, a propaganda dele já construíra a imagem de bom moço conforme acima demonstrado;
As atenções ficaram centradas na montagem de um bom plano de governo, mas infelizmente por deficiência de comunicação, e por causa da estratégia da maledicência e das pesquisas fraudadas promovidas pelo principal adversário, a mensagem propositiva chegou fracamente;
• Cientes de que a campanha do JPK estava centrada em falácias (não fala, mas faz etc.) ou em mentiras diretas (as principais foram: luz para 80 mil pessoas (o que é isso? Antes dele Blumenau estava no escuro !!!); pegou a prefeitura sem recursos e endividada ( a Lei de Responsabilidade Fiscal não permite; o BNDES não firmaria o convênio de 82 milhões que o Décio assinou quase ao fim do governo, recursos que ficaram à disposição do JPK para as quatro grandes obras viárias e ele não pegou); e aumentou o atendimento da saúde e das creches (informações dos ministérios respectivos desmentem isso), mesmo assim a campanha do Décio demorou a mostrar as inverdades.
Enfim há muito mais, contudo para fazer uma síntese extrai parte da mensagem que um jornalista político me enviou, a saber:
“A campanha em Blumenau foi sendo arquitetada mostrando um bandido do PT contra o mocinho do DEM. E o PT não reagiu. Apostou que o povo ia levar o Décio pra Prefeitura, sem se importar com a voracidade da direita. O PT acordou tarde. A imagem dos dois principais candidatos já estava consolidada no imaginário popular.”

Anônimo disse...

Não substimem o PT!....

Anônimo disse...

Voltaremos a conversar sobre essa eleição daqui a dois anos. Veremos que ganhou e quem perdeu com ela.
Nem mais, nem menos.

Anônimo disse...

Ah! Só mais uma coisa.
Ana, não esqueça que o prefeito não é blumenauense. Ele também é um forasteiro.
Acorda garota.