quarta-feira, fevereiro 18, 2009

POLÍTICA

FAZENDO FIGA
A bancada do PP na Assembléia Legislativa está eufórica com a cassação do Governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB). O otimismo é pela expectativa que a decisão do TSE valha também para o julgamento de Luis Henrique da Silveira (PMDB), interrompido ano passado por um artifício jurídico lançado mão pela defesa. Estava três a zero pela cassação por uso irregular de propaganda. O processo deve voltar à pauta dos ministros do TSE depois do carnaval.

AMIM AGAIN
Havia uma discussão sobre quem assume nestes casos, mas na Paraíba a decisão do TSE foi clara. Assumiu hoje pela manhã o segundo candidato mais votado, José Maranhão (PMDB). Se a decisão judicial for semelhante, Esperidião Amim (PP) assume mais uma vez o Governo catarinense.

NA ESPREITA
Quem está de olho na decisão é Ivan Naatz (PV). Caso se confirme a ida de Amim para o Governo, ele certamente levará deputados do PP para o secretariado, o que abrirá vaga para Naatz na Assembléia, visto que ele é suplente.

PIZZA
Só para encerrar. Alguém sabe o que deu do caso da Revista Metrópole? Pelo jeito, ficou tudo por isto mesmo. Vergonhoso.

15 comentários:

Anônimo disse...

Tomara que a Justiça seja feita, não interessa quem entra ou quem sai o importante é que as regras do jogo sejam observadas, até porque servem de importante função pedagógica. Não toleremos mais a impunidade a aviltes de quem esta no jogo.

Adilson Linhares disse...

Só para esclarecer, como ja se passaram dois anos do mandato do LHS, o novo governador será escolhido pela Assembleia Legislativa através dos votos dos deputados.

Anônimo disse...

Qual o fundamento que vc utiliza para esta conclusão Adilson Linhares (?) pois não foi desta forma que o TSE julgou Cunha Lima, governador que concorreu as eleiçoes em 2006 como LH.

Anônimo disse...

Tchau LHS!

ALISSON LUIZ disse...

Em se confirmando a cassação do governador LHS, e como dito no post a ida de deputados do PP para o Executivo, quem ganha com isso é a comunidade de Blumenau que terá um combativo e atuante deputado na envergadura de Ivan Naatz, e isso quem diz não sou eu e sim os jornalistas políticos mais respeitados de Santa Catarina (à exemplo de Moacir Pereira). Nos poucos meses que Naatz esteve na ALESC, propôs importantes projetos de lei e arregimentou recursos na àrea da Saúde. Aproveito ainda para aqui registrar que durante sua campanha no ano passado, o então candidato não fez pirotecnia alguma quando afirmava que haveria reajuste pesado na passagem do transp. coletivo e ainda o acirramento das disputas por cargos na Prefeitura. O tempo sempre cuida de comprovar as verdades e meias verdades, neste caso Ivan Naatz estava certo!
Esperamos agora o desenrolar da ação no TSE, muito se diz nos corredores, sobre a imponente influência do governador LHS que é do PMDB e agora que o partido está administrando o Congresso poderia receber outros olhos dos ministros, quero acreditar que a Justiça continuará a se guiar pelo espírito público e talvez realizar mais um oportuno exemplo, se confirmar o contráro (e aqui quero destacar que até no Tribunal sabe que as ações de LHS são meramente protelatórias) haja a abundância de provas). Certamente as palavras do senador Jarbas Vasconcelo nunca estiveram tão eivadas de verdade...

ALISSON LUIZ disse...

Adilson, o ministro Carlos Ayres Brito, presidente do TSE, explica que eles entenderam não decidir pela realização de novas eleições para o cargo de governador da Paraíba. “Entendemos que não é o caso de aplicação do artigo 81 da Constituição, nem do artigo 224 do Código Eleitoral. A eleição de primeiro turno foi válida, porque ninguém obteve mais de 50% dos votos. Então, se a eleição foi válida, é chamado para assumir o cargo de governador quem obteve o primeiro lugar dos votos válidos, a maioria dos votos válidos em primeiro turno, que foi o senador José Maranhão (o segundo colocado)”.

Anônimo disse...

Ja esta na hora de o Naatz ganhar uma Chance, ele não se vende pra nenhum grupo, por isso a dificuldade de ganhar espaço. È isso vamo torcer para que esse governo vergonhoso saia o quanto antes , (Comprador de Midia)

Anônimo disse...

Ivan Naatz deveria se juntar ao Valmor Schiochet e Celio Honn, tudo farinha do mesmo saco,resumindo " ENGANADOR".

Anônimo disse...

Ivan Naatzaquele que quando representava os servidores queria aumentar seu salário para R$ 5 mil?

É realmente, honestiidae pode não ser o forte do cara, mas esperto ele é...

Também queria ter meio de aumentar meu salário assim... hehehehe

ARTILHEIRO disse...

Comento a postagem 10:49 de ALISSON LUIZ: "Aproveito ainda para aqui registrar que durante sua campanha no ano passado, o então candidato não fez pirotecnia alguma quando afirmava que haveria reajuste pesado na passagem do transp. coletivo e ainda o acirramento das disputas por cargos na Prefeitura." Concordo com o seu comentário! Este é o motivo da minha desilusão com o JPK; pensei que negociatas para distribuição de cargos fosse coisa do passado com esta "renovação". No final de tudo, a mesma desilusão que tive com o PT, que fez ainda pior do que aqueles a quem os petistas criticavam (vide os escândalos) tenho com o pessoal do DEM e seus aliados, neste segundo mandato. Ah... se o prefeito passar por aqui receba os votos de boas férias! Cuidado, sr. prefeito, se for usar transporte público para passear com a família nas férias, leve uns trocados a mais pois o valor da passagem aumentou (assim como aumentaram os cargos comissionados)

Anônimo disse...

Eu sou servidor publico, fico puto da cara quando um comssionado qualquer escreve que o Naatz queria ganhar salários de R$ 5 mil. Ele já disse várias vezes que recebia salários de R$ 5 mil mes, o problema é que ele merecia. Hoje o advogado do SINTRASEB e o tal do Marquiori que recebe R$ 6 mil mês e não faz nada para o servidor, melhor o cara é advogado das empresas de ônibus da cidade, trabalha contra o operário. Concordo com a cara acima, estes putos da prefeitura são um bando de covardes. Naatz, mete porrada nestes caras, eles merecem.

Anônimo disse...

Quero ver o discurso do Marçal se o Amin Assumir. Ele sempre babou no saco do JPK e do LHS vai ter que mudar o seu já vazio discurso. Falando nisso ele hoje, na Sessão da Câmara soltou essa:
" As pessoas morrem na BR-470 e não falam nada". Graças a Deus. Já pensou estar no enterro do defunto e esse começar a reclamar da rodovia?

Anônimo disse...

É...e ninguém aqui comentou do caso Revista Metrópole, que também envolve maracutaia do governo LHS. Todo mundo medianamente informado sabe que o proprietário da Metrópole era chegado a receber "bola" e para o governo isso é uma mão na roda...

Mas ninguém mais fala no assunto.

Elimar Russi Filho disse...

Prá refletir...

É... se a briga por cargos na prefeitura de Blumenau já tá feia, imagina se LHS/Pavan, perderem o mandato.

Vai respingar também no Governo Federal do PT, onde o PMDB, eterna situação, faz parte.

Mas em Blumenau vai ser muito pior, porque os mesmos partidos da tríplice estadual (DEM, PSDB e PMDB) lutarão por cargos na tríplice municipal.

Não se assustem se figurinhas recém nomeadas forem substituídas.

ALISSON LUIZ disse...

SOBRE A REVISTA METRÓPOLE...Moribundices
O andar da carruagem (atualizado)
Publicado em 20 de fevereiro de 2009, às 17:45

O Ministério Público de Santa Catarina continua examinando os indícios de crime que o livro “A descentralização no banco dos réus” do Nei Silva, apresentou. Mas a ansiedade do próprio Nei pode ter causado uma demora maior nessa investigação.

Segundo a Procuradora de Justiça Vera Lúcia Ferreira Copetti, que está encarregada do caso, o volume de documentos e, principalmente, de gravações de áudio, que o Nei e seu advogado, de tempos em tempos fazem chegar a ela, é tão grande que acaba criando uma dificuldade adicional. “É preciso que todos os CDs sejam degravados, para que eu possa examinar as transcrições e são muitas horas de gravação. O setor do MP encarregado de fazer esse serviço ainda não conseguiu terminar o trabalho”, disse ela.

O livro funcionou como uma representação. Tal como os demais leitores, a Dra. Vera também achou que havia ali uma profusão de indícios de irregularidades. Mas o que ali está dito precisa ser investigado, antes que alguma ação seja proposta. “Estou ouvindo as pessoas que têm concordado em dar depoimentos e o trabalho está avançando”, afirma a Procuradora, que prefere não dar publicidade a cada ato praticado, até para não atrapalhar as investigações.

Como o Nei e seu advogado (provavelmente para manter o assunto na mídia), resolveram entregar, quase a cada semana, um novo pacote de documentos e gravações, chegou uma hora em que a própria Procuradora chegou a pedir ao que eles dessem um tempo com a papelada, “porque depois de examinar o que já está comigo, que é bastante coisa, se achar necessário posso pedir mais alguma informação ou documento”.

O problema agora está em conseguir ler tudo o que já está sobre a mesa e as degravações que estão para chegar, para formar a convicção que determine o passo seguinte: arquivar o caso ou propor uma ou mais ações judiciais. “São tantos fatos e condutas que não dá pra fazer do dia para a noite”, afirma. Mas assegura que tudo será levado em conta e avaliado.

O Nei Silva, autor do livro censurado e que está sendo processado por extorsão pelo governo do estado, leu a nota acima e deixou o seguinte recadinho:

“Caro César, em 18 de julho de 2008 das 09h00min ás 20h30min com intervalo de uma hora para almoço prestei depoimento ao MPE. Perguntado, respondi a mais de 60 questões sobre as denúncias do livro “A Descentralização No Banco Dos Réus”. Entretanto, entendo que não bastava somente responder, era preciso provar! Foi o que fiz. Encaminhei provas incontroversas para MPE. Contudo, o Procurador Geral Gercino Gomes Neto no mesmo mês anunciava à imprensa que três procuradores iriam investigar as denuncias do livro, no entanto somente Dra. Vera Lúcia Ferreira Copetti está trabalhando. As degravações realmente são várias, todavia os trabalhos só começaram em janeiro deste ano. Para quem entregou em julho de 2008, é muito tempo. Trabalhei na imprensa por mais de 20 anos, entendo que é meu dever informar a sociedade sobre os fatos narrados em meu livro. O MPE precisa dar uma resposta rápida à sociedade catarinense. Reitero que o trabalho do Ministério Público Estadual, em relação às investigações das denúncias do livro, está lento.”

Fonte: http://www.deolhonacapital.com.br/2009/02/20/o-andar-da-carruagem/