domingo, junho 08, 2008

ELEITORAIS DOMINGUEIRAS

NADA DE NOVO FRONT
A reunião do PT domingo de manhã no Clube Concórdia foi marcada pela presença expressiva dos filiados (cerca de 300) e pelo predomínio da posição de Décio Lima e seu grupo. O ex-prefeito expôs os motivos pelos quais o partido não deveria fechar agora posição em torno das alianças e assim manter aberto o canal do diálogo com todas as siglas. E demoveu os “companheiros” de lançar a candidatura de Édson Adriano como vice pelo partido. Pelo contrário, agora o PT tem cinco pré-candidatos ao cargo: além de Adriano, o professor Aroldo Bernhardt e os três vereadores – Maria Emília, Vanderlei de Oliveira e Isaltino Pedron – foram lançados.

A TÁ...
Como diz um petista daqueles históricos e atentos à movimentação interna: “lançar cinco é a mesma coisa que não lançar nenhum”, avalia. Assim, Décio abre caminho para articular alianças com um trunfo na mão: a vaga de vice-prefeito na chapa para oferecer.

RETA FINAL
Faltam hoje 22 dias para o prazo final de definição das chapas majoritárias e alianças proporcionais e o processo de escolha de parceiros e nomes se afunila. De um lado o prefeito João Paulo, do Democratas, que consegue manter a Tríplice Aliança em Blumenau ( DEM-PMDB-PSDB) e busca segurar ainda o PP e o PDT. Do outro o deputado federal Décio Lima, que busca voltar à Prefeitura apoiado no seu partido, o PT, mas de olho nas possibilidades que sobraram, flertando com os disponíveis e tentando tirar os progressistas e trabalhistas da base de JPK. No meio deles estão os francos atiradores, que percebem que o embate vai ser polarizado, reduzindo a chance de uma terceira via e agora buscam a melhor alternativa para renunciar a candidatura.

OTIMISMO
Conversei com o pré-candidato Décio Lima na manhã deste sábado e ele me disse que o desenho da composição da aliança política para esta eleição é “maravilhoso”. Citou praticamente todos os partidos disponíveis como possíveis aliados e disse que suas principais lideranças são potenciais candidatos a vice na chapa. “O melhor nome é aquele que consiga unificar as propostas de todos estes partidos”, disse Décio. Os partidos citados na conversa foram o PP, PDT, PcdoB, PPS, PSB, PMN, PR, PTR, PR E PV.

AVALIAÇÃO
“Será uma eleição plebiscitária”. Assim Décio avalia como será a escolha do eleitor blumenauense e dá o tom da campanha eleitoral. “As pessoas vão dizer se querem ou não querem um ou outro. Se preferem João Paulo ou preferem Décio.” A avaliação do pré-candidato resume o sentimento de todos os que acompanham o cenário político. Há pouco espaço para uma terceira via. Por isto a importância da definição da chapa petista, pois PDT, PP, PSB, PV, PPS e PCdoB representam juntos uma parcela importante do eleitorado e os imprescindíveis minutos de tv.

FUTURO
O PP esteve reunido no final de semana e está, como boa parte dos partidos, dividido entre dois grupos: o time e do atual vice-prefeito Edson Brunsfeld e do deputado federal João Pizzolatti. Em virtude da doença de Brunsfeld, Pizzolatti está dando às cartas sozinho, mas busca assumir postura de magistrado. ‘Estamos discutindo o projeto do partido, quais são as melhores condições para o nosso fortalecimento, quais são os nossos melhores parceiros para o futuro “, afirma o presidente da Comissão Provisória Municipal do PP”.

DE OLHO EM 2010
“O projeto oferecido por Décio não se resume a esta eleição”. A afirmação é de Pizzolatti, sinalizando um caminho. E aproveita para dar um recado aos filiados que têm cargos na Prefeitura em virtude do acordo atual com JPK. “Esta semana esgotamos o debate. Temos preocupação em não constranger ninguém, mas o fortalecimento do partido é maior que questões particulares”, sentencia.

PSB
Quem também promete definir posição esta semana é o PSB. Marcelo Greul mantém a candidatura, mas é bastante realista. “A única coisa que pode mudar a nossa disposição de concorrer com chapa própria é a questão financeira”, analisa Greul, trazendo a tona um tema interessante, os gastos com a campanha eleitoral, principalmente com o programa de tv. Pelo sim pelo não ele está orçando com o pessoal da área e já estima um custo entre R$ 350 e R$ 400 mil para um programa com bom padrão de qualidade. Com estes orçamentos à mão, é praticamente certo que o desportista não sairá candidato, a não ser que consiga financiadores de peso a esta altura do campeonato.

VERDE NA CÂMARA
Já o recém empossado deputado Ivan Naatz curte sua lua de mel com a Assembléia e a cada conversa a sua convicção sobre uma candidatura própria fica mais distante. “Eu queria mesmo era ser vice do Décio”, havia me confidenciado Naatz, antes de sua posse. Vai sair candidato a vereador e tem tudo para obter uma grande votação.

Um comentário:

fabioricardo disse...

Jogada inteligente a do Naatz. Como candidato a prefeito, não conseguiria muita coisa. Como vereador, porém, pode se destacar pelo bom trabalho que apresenta mesmo fora da vida política.