terça-feira, julho 29, 2008

ELEITORAIS

O OUTRO LADO
O assessor de imprensa da campanha de João Paulo Kleinübing não gostou da nota “Muro”, postada nesta segunda-feira sobre uma parte da entrevista do candidato na Ric Record. Reproduzo praticamente na íntegra o conteúdo do e-mail enviado pelo jornalista Jaime Avendano.

“[...] os chefes diretos dos gerentes não são os secretários, e sim os diretores. Por outro lado, o prefeito nunca disse que acredita ou deixa de acreditar na inocência ou culpabilidade dos mesmos. Foram exonerados porque havia indícios levantados pelo jornal de que não cumpriam horário. Era o que se esperava de uma administração séria e assim foi feito. Agora, daí a julgar é outra história e não cabe isso ao prefeito. Há regras, pessoas investidas e processos devidamente previstos em lei para fazer isso, com seus prazos e o direito de defesa dos acusados.”

RESPONSABILIDADE
Feitas as ressalvas, vamos por partes: tem razão o assessor quando diz que os chefes diretos dos gerentes são os diretores e não os secretários. Mas os secretários são chefes de todos. Ou não? Não é obrigação deles saber tudo que ocorre sob sua responsabilidade, ainda mais quando o servidor pisa na bola e a população é lesada?

FOI DITO
O jornalista lembra que o prefeito nunca disse que acredita ou deixa de acreditar na inocência dos gerentes e tem razão. Mas reproduzo duas manifestações do candidato feitas durante a entrevista: “os três servidores pediram o afastamento preventivo {...}”, “{...} eles estavam trabalhando e realizando atividades em outras secretarias”. Fica a cargo do leitor analisar.

FAZ PARTE
Jaime Avendano considerou a nota “forçada”. Assim é a vida de jornalista. Tanto da parte dele, como assessor de imprensa, como a minha, de blogueiro. O importante é que o espaço estará sempre aberto.

Um comentário:

ARTILHEIRO disse...

O candidato Kleinübing, no papel de Prefeito não é enfático nas suas colocações.

Diz o sr. Jaime Avendano:"Foram exonerados porque havia indícios levantados pelo jornal de que não cumpriam horário".

Disse o Prefeito: “os três servidores pediram o afastamento preventivo {...}”, “{...} eles estavam trabalhando e realizando atividades em outras secretarias”.

Foram exonerados a pedido?

Parece o caso do aumento dos vereadores; o Prefeito não vetou o aumento enquanto a não teve o pedido da presidência da Câmara de Vereadores.

O prefeito vetou ou vetou a pedido?

Não lembro de quem é esta expressão, antiga por sinal: "correge, correge e cada veiz pioreia mais".