quinta-feira, outubro 16, 2008

FIM DE GREVE

VOLTA AO TRABALHO
Em assembléia realizada no final da tarde os trabalhadores têxteis decidiram pôr fim a mobilização que durava 11 dias. Aceitaram a proposta do sindicato de 8,15% de reajuste salarial, 0,15% mais que o indíce que levou a categoria a paralisar parcialmente seis empresas de Blumenau e Gaspar. Hoje pela manhã houve uma audiência de conciliação em Florianópolis, convocada pela Delegacia Regional do Trabalho.

EMPAREDADOS
Os dirigentes do sindicato do trabalhadores estavam num mato sem cachorro, com a mobilização fugindo do controle e correndo risco de se esvaziar pela pressão dos empresários, que elevaram o tom de voz. Anunciaram que iriam recorrer a Justiça do Trabalho para solucionar o impasse e o pior. Começaram a disseminar a notícia de que poderiam ocorrer demissões.

DÚVIDA
Não tenho ainda a informação e fica a curiosidade. Os trabalhadores que aderiram a paralisação terão seus dias descontados, conforme anunciou o diretor executivo do Sintex, Renato Valim?

14 comentários:

Anônimo disse...

Até que enfim alguém vai trabalhar neste país!

Anônimo disse...

tu deveria fazer a mesma coisa!!!!!

Anônimo disse...

Sai dai o revoltadinho!!!
Bichona!
Deve ser da CUT.

Anônimo disse...

pelo jeito o chapeu serviu, esse ai é um desocupado!!!!!

Anônimo disse...

Alexandre!

Acho que quem lê o Informe Blumenau são todos desempregados, basta ver os comentários, hehehehe.

Anônimo disse...

Sou Trabalhador Textil, venho através deste espaço, dizer que concerteza esterei na desempregado por ter participado da greve pois ser um vereador pode ter o direito de aumentar seu salário em 60% por que eu não teria de ter um aumento minímo aumento de 15%, e meu encarregado me afirmou que não vamos ser mandados embora agora, pra não dá muito na vista mais gradativamente um a um seremos demitidos, a ditadura esta esposta pelos governos neo-liberais(PSDB e DEM) eles querem resolver tudo pela força belica (PM), um exemplo é o que nós vimos aqui em Blumenau com os Texteis na Figueira e em São Paulo com os Policiais Cívis no Palácio do Governador eles não querem conversar os trabalhadores querem resolver pela opressão.

Anônimo disse...

Este ultimo comentário reflete a postura dos empresários inescrupulosos e gananciosos, que apoiaram a reeleição do prefetinho dos DEMOS. Teremos 4 anos negros pela frente. Espero que pelo menos depois da besteira que 63 por cento da população preferiu nas urnas, apareça um pouco de arrependimento. Mas já aviso... já é tarde. Agora aguentem!

Anônimo disse...

Como alguém falou antes, a Alice sumiu e voltamos a ver os Joãos, Josés e Marias. Agora teremos que suportar quatro anos para de tempos em tempos (2 em 2 anos) reencontrarmos Alice e vivermos (ao menos nos programas eleitorais) no país (ou cidade) da maravilhas.

Anônimo disse...

Realmente a situação esta critica!
Será que teremos desemprego a vista?
Um sálario mais digno só faz bem a todos.
Do trabalhador ao governo, só não percebe quem não quer.

Anônimo disse...

Bom pessoal, acredito que podemos falar todas as verdades e as coisas sem sermos grosseiros e mal educados. A diferença entre uma e outra é que a estupidez desqualifica a critica mesmo que seja a mais pura verdade e a segunda forma torna-a mais serena. Estive vendo alguns termos e para mim quem as fez torna sua critica mesmo que verdadeira, muito infantil na forma de dizê-lo : Bichona (é preconceito), prefitinho ( infantilidade).
Sou Servidor Público Municipal e não votei nem no JPK e nem no´Décio Lima e explico.
Quando o Décio foi prefeito, cercou-se de gente incapaz que sentia verdadeiro prazer em humilhar o funcionalismo e sem esuqecer que durante a greve de 2003, deixou a gente 31 dias debaixo da figueira e apelou para o judiciário para declarar a greve ilegal e também colocou policia na prefeitura, não tantos como esta semana, mas colocou sim.
Quanto ao JPK, bem, não enganou ninguem para receber o voto, todos sabemos de que partido é e o que pensam e quem defendem. Disse que iria valorizar o servidor público e aprovou um plano de carreira que deu prejuizo para a maioria e agora esta semana permitiu que a polícia fizesse aquele espetáculo todo com dezenas de policiais, cavalaria, tropa de choque, helicóptero e sem deixar de falar dos policiais que estavam escondidos na garagem da prefeitura para o caso dos manifestantes foraçarem a entrada dai seriam encurralados la dentro e longe das lentes da imprensa o pau iria comer. É uma pena que nem ele e nem os vereadores eleitos se fizessem presentes para apoiar os trabalhadores. Alias, isso é de praxe, o apoio deles é só no discurso e não na prática.
JPK, e os candidatos eleitos foram até as fabricas até alguns jantaram e almoçaram com os operários e pediram o voto - receberam e agora viraram as costas.
É uma pena que uma cidade como a nossa em pleno seculo 21 estejam acontecendo coisas que deveriam ter ficado no seculo 20.
Mas a luta dos trabalhadores é justa e esta garantida pela Constituição Federal, portanto, com ou sem estupidez na reação da algumas pessoas da sociedade blumenauense, é legal sim, não estão fazendo nada de errado. Por acaso é proibido lutar e querer melhores condições de vida , salário e mais justiça social?

Anônimo disse...

Meu caro anônimo, concordo com vc e não tiro a sua razão de que estupidez e infantilidade não levam a lugar nenhum, mas infelizmente alguns fanáticos de JPK democrátas enrustidos que vem com comentários do tipo "estou esperando alguém comentar que ... também é culpa de JPK" ou "até que enfim alguém vai trabalhar neste país" infelizmente para estes não há outra alternativa senão responder no mesmo nível.

Anônimo disse...

O tempo vai dizer tudo, aguardem, as obras já pararam, as secretarias que terá que criar e assim por diante, quem votou no DEM(PFL nãoe esqueçam, verá quem manda na cidade. Mais quatro anos na máo deles é difícil, olha, não sou PT, mas sou nascido aqui e com minha idade já vi coisas, Blumenau não aprende mesmo.

Anônimo disse...

Se isso acontece aqui no Brasil de trens, ônibus e até alguns aviões não saírem do lugar, humm o bicho pega... mas já que é na Itália, né, aí é legítimo...

JORNAL NACIONAL
17/10/08 - 22h42

Greve geral de 2 milhões de pessoas paralisa a Itália

A sexta-feira foi caótica na Itália. Uma greve geral paralisou praticamente todo o país. Os detalhes com Ilze Scamparini.

Na maior manifestação desde que Silvio Berlusconi assumiu o governo, há cinco meses, a Itália protestou contra a política econômica, os baixos salários e a reforma da educação.

Dois milhões de trabalhadores aderiram à greve nos transportes, nas escolas e nas repartições públicas.

Os cálculos são da Confederação Unitária de Base, um dos três grandes sindicatos que organizaram as manifestações. Todas as grandes cidades do país participaram.

Trens, ônibus e até alguns aviões não saíram do lugar. Em Roma, em uma passeata de 500 mil pessoas, estudantes e professores protestaram contra o decreto do governo, que prevê cortes de verbas nas universidades. Também contra o desaparecimento de quase 3 mil pequenas escolas e a demissão de 130 mil funcionários em três anos.

A Itália, uma das nações-modelo do ensino publico e gratuito europeu, agora pretende incentivar o ensino particular. A manifestação parou o país e as autoridades querem rever a lei do direito de greve.

Na reforma da educação, decretada pelo governo de Berlusconi, uma lei está sendo considerada racista não somente pela oposição italiana, mas por vários paises do Mediterrâneo: na Itália, as crianças estrangeiras terão que estudar em classes separadas das crianças italianas.

O governo se defendeu dizendo que não é uma questão racista, mas didática, para não atrapalhar o aprendizado de quem a domina a língua.

Na luz disse...

Pena que nossos honrados trabalhadores têxteis, que reivindicam com justiça melhores salários, sejam USADOS por uma corrente ideológica, que infiltra no movimento categorias que NÃO TEM NADA COM ISSO. Assim, o que era legígitimo, perde o respeito da população. Os líderes da greve, convenhamos, não são muito inteligentes. E os grevistas, massa de manobra, serão vítimas dessa desinteligência, ou seria IRRESPONSABILIDADE mesmo? Quanto ganha por mês a presidência e diretoria do Sindicato? E os "apoiadores" vieram de graça? E o profissional que vem da Capital para dar asistência, é de graça? Esse pessoal têm estabilidade? Vão socorrer os trabalhadores que perderam o emprego por terem participado da greve?