segunda-feira, novembro 17, 2008

POLÍTICA


PERFIL PMDB
Reconhecendo o pífio desempenho na última eleição para a Câmara Municipal e o que isto representa no tabuleiro da composição do segundo governo de João Paulo Kleinünbing, um dos principais nomes do PDMB defende uma composição que force o partido a criar novas lideranças. Nesse sentido Paulo França defende que os indicados para ocupar secretarias sejam suplentes de vereadores ou de pessoas que se disponham a ser candidatos nas próximas eleições.

CARAS NOVAS
Paulo França afirma que só assim o PMDB formará novas lideranças, que antes de tudo precisam de votos. É preciso valorizar aqueles que foram bem no último pleito e pressionar outros a colocarem o nome em disputas futuras. Nesse último caso enquadram-se Neusa Felizetti e Rudolf Clebsch, que teriam que se decidir.

ACORDANDO
O secretário sabe isso como ninguém. Há muito tempo Paulo França é um dos expoentes do partido, um bom administrador e político, sem, no entanto, agregar eleitoralmente. A última grande liderança é Renato Vianna, que vê a cada eleição seu poder de voto diminuir. E partido sem eleitos não se cacifa no banco das negociações políticas.

8 comentários:

Anônimo disse...

Boas considerações...ouví falar que Álvaro Pinheiro almeja a Fundação Cultural, apesar de não ter nenhuma experiência na área. Seria bom se lembrassem nomes de dentro, de cunho mais técnico, não só para acomodar interesses.

Anônimo disse...

O PMDB se ressente, hoje, da centralização a que lhe impôs Renato Vianna. Note-se que nenhuma nova liderança apareceu pq não foi dado o devido espaço. É bom que isto aconteça para que as velhas raposas de sempre, que pensam ser donos das agremiações partidárias, entendam que a caravana passa - e só vai lhes restar latir...

Anônimo disse...

Outro que também se adonou do partido foi Décio Lima. E o reslutado, dispensa comentários...

JEFFERSON FOREST disse...

Para aqueles que querem sepultar a participação do PMDB no governo de JPK , se o critério for os votos para a câmara de vereadores o PMDB tem que ter no mínimo o mesmo espaço que o PSDB, mesmo elegendo apenas 01 vereador e o PSDB 04, os candidatos a vereador do PMDB fizeram 22.044 votos, e os do PSDB 21.903 votos.
Difícil engenharia e haja cargo para tanta gente. A nós do PT, o povo nos incumbiu o papel de oposição, mesmo que a oposição esteja fragilizada, a faremos com responsabilidade e respeito ao povo. Retomaremos a luta junto com os Movimentos Sociais, e o coletivo que compôs a minha candidatura lutará internamente por uma renovação política nos quadros e lideranças partidárias.

Anônimo disse...

O PMDB não aceita a idéia de novas lideranças, vai insistir com o bonachão no Paulo França para Dep Estadual ou seja, perde denovo. O partido é tão insignificante que nem mesmo nome para Dep Federal tem. Qto ao tocador de bandoniõn esse é outra piada, todos sabemos que será um outro Mafra, zero, assim como o PMDB local.
Pelo que sei Ivan Naatz foi convidado pelo Governador para ir para o PMDB (quem me disse foi o Regis da CELESC)mas enfrenta resistencia interna, local, pois os mesmo de sempre prefrem perder com o Paulo França do que eleger alguém com identidade e, fazer ai a nova liderança do PMDB. Uma pena.

Glayton Robert disse...

De fato o PMDB saiu bem pior desta eleição do que entrou. Talvez todo o quadro fosse diferente se ao invés de se coligar com o DEM o fizesse com o PT ou até mesmo saísse sozinho, ainda que fosse para perder as eleições mas para ganhar espaço e respeito político.
O problema não é o Renato Vianna, este não teve qualquer mérito na centralização do PMDB com o DEM, o martelo foi batido na Casa do Governador, sede do governo estadual e simplesmente "informado" para que o PMDB de Blumenau acatasse.
Embora eu seja filiado ao PMDB, sou sincero em afirmar que, se este foi um passo para a candidatura de LHS para o senado como dizem, pensarei duas vezes antes de votar nele, afinal, se rifa assim o partido em busca de um projeto pessoal, o que não faria no Senado?
Mas fica aí a especulação...

Anônimo disse...

LHS É O PIOR GOVERNADOR DA HISTÓRIA DE SANTA CATARINA

Anônimo disse...

Nas próximas eleições o PMDB não elege ninguém nesse ritmo.